• Frentes Versos

Com crianças aprendendo em casa, editores veem crescimento no mercado editorial infantil

ARTE

À medida que as escolas fecham durante a crise do coronavírus, as vendas de livros de leitura e escrita, cartões de memória flash e livros de atividades dispararam.

Por Alexandra Alter*, The New York Times

Alice de Lewis Carroll



O livro mais vendido da Amazon no momento vem com um certificado de conclusão para os leitores que diz: “Ótimo trabalho! Você é o número 1.”

É um livro de atividades de 320 páginas para crianças de 3 a 5 anos, projetado para ajudá-los a dominar as formas, cores e letras do alfabeto, e recentemente se destacou nos romances mais vendidos como "Where the Crawdads Sing" e “Little Fires Everywhere”.

Muita diversão! E está ajudando junto com nossa educação em casa em tempos de Covid-19!”, um cliente escreveu em uma resenha cinco estrelas do livro, “Big Preschool.”.

Não é surpresa que esses livros estejam sendo vendidos em grandes quantidades. Enquanto as escolas nos Estados Unidos fecham em um esforço para retardar a disseminação do coronavírus, milhões de pais se vêem presos com crianças entediadas e inquietas. Além de alimentar e divertir os filhos, espera-se que os pais também os eduquem.

Escolas de todo o país criaram salas de aula virtuais on-line, mas muitos pais, ao que parece, estão recorrendo a soluções analógicas. As vendas de pastas de trabalho de leitura e escrita, cartões de memória, livros de atividades e guias para experimentos científicos em casa dispararam após o fechamento das escola.

As vendas de não-ficção juvenil nas categorias educação e idiomas aumentaram quase 40% durante a semana que terminou em 14 de março, de acordo com o NPD BookScan. Alguns dos títulos mais vendidos incluem "Big Kindergarten" e "Big Second Grade", da School Zone Publishing. "Os pedidos dos pais estão chegando", disse Jonathan Hoffman, presidente e diretor executivo da School Zone.

Como outras empresas, a indústria editorial tem sido atacada por turbulências econômicas crescentes decorrentes da pandemia. À medida que os shoppings fecham e um número crescente de governos estaduais ordena o fechamento de empresas não essenciais, grandes redes como a Barnes & Noble estão enfrentando dificuldades. Livrarias independentes temporariamente fecharam e demitiram funcionários.

Cerca de metade dos livros da lista dos 100 mais vendidos da Amazon são livros educativos para crianças e atividades, com títulos como “Primeiro livro pequeno do porquê” e “Experiências científicas incríveis para crianças”.

"Essa demanda está em um nível que nunca vimos antes", disse Dan Reynolds, executivo-chefe da Workman Publishing, que publica pastas de trabalho educacionais, como as séries Brain Quest e Big Fat Notebook.

Nas últimas duas semanas, Workman encomendou reimpressões de cerca de 3 milhões de cópias dessas duas séries para atender grandes pedidos da Amazon, Barnes & Noble, Costco, Target, Walmart e livrarias independentes, além de pedidos do Canadá e da Grã-Bretanha, disse Reynolds. A Workman também encomendou recentemente 985.000 cópias de sua série de livros de atividades Paint By Sticker.

Rene Holderman, compradora de livros infantis da Third Place Books, em Lake Forest Park, Washington, disse que os clientes começaram a comprar títulos da Brain Quest e livros de artes e ofícios depois que as escolas públicas e privadas de todo o estado foram obrigadas a fechar em 13 de março. Gastou US $ 200 em pastas de trabalho infantis em uma única visita, disse Holderman. O interesse do cliente era tão grande que Holderman criou uma área de exibição de livros e artesanato infantil na loja, que fechou por enquanto na segunda-feira à tarde, depois que o governador emitiu um pedido para que todos ficassem em casa.

A editora Scholastic viu um aumento nas vendas de seus Bob Books e kits de cartões de memória. As vendas das pastas de trabalho da Scholastic aumentaram 70% na semana que terminou em 14 de março, em comparação com o mesmo período do ano passado, disse uma porta-voz.

Os editores da Scholastic e de outras editoras também disponibilizaram mais materiais para professores e pais usarem gratuitamente. No início deste mês, a Scholastic tirou algumas as restrições ao uso de seus livros para permitir que professores e autores os leiam on-line pelo restante do ano letivo atual. Também montou um site gratuito para professores e pais, chamado Scholastic Learn at Home, que inclui tarefas de leitura, escrita e reflexão para crianças em idade escolar.

Desde o lançamento do site em 13 de março, ele obteve cerca de 30 milhões de visualizações de página. Lauren Tarshis, vice-presidente sênior e editora-chefe da Scholastic Classroom Magazines, disse que quando as primeiras escolas foram fechadas no início de março, a empresa começou a reunir recursos para educadores que tinham que criar rapidamente currículos on-line, bem como para os pais. a posição de educar em casa os filhos.

"Você não precisa repentinamente usar o “chapéu” de professor, mas sim administrar tensões enormes enquanto trabalha remotamente", disse ela.

Noemi Fleming, que trabalha para uma empresa de software e mora em Columbus, Ohio, comprou alguns livros da Brain Quest para sua filha de 5 anos, Viviana, cuja pré-escola privada foi fechada. Fleming e seu marido, que trabalha em TI para o Departamento de Defesa, revezam-se em cuidar de Viviana durante o dia e mudaram seus computadores para a sala de jogos, onde todos se sentam à mesma mesa. Enquanto seus pais enviam e-mails e trabalham remotamente, Viviana preenche cinco ou seis páginas de sua pasta de trabalho do Brain Quest. "Ela chama isso de trabalho", disse Fleming.

Fleming conta que foi necessário um pouco de persuasão para convencer sua filha a levar a sério as tarefas da pasta de trabalho e para não rabiscar nas páginas. "Dissemos a ela uma mentira boazinha", disse ela. "Dissemos a ela que sua professora iria verificar seu livro."

*Alexandra Alter escreve sobre o mundo editorial e literário. Antes de ingressar no Times em 2014, ela cobriu livros e cultura no The Wall Street Journal.

O ARTIGO FOI PUBLICADO NA EDIÇÃO DE 24/03/2020 DO NYT

TRADUÇÃO DE LUIZA DA SILVA

©2019 por Frente & Versos. Criado com Wix.com