• Frentes Versos

COPA DO MUNDO: No bate-bola sobre 1958, Ruy Castro rememora mitos e lendas da Copa

\\ LIVROS


Muito além do meio de campo, Copa de 1958 consolidou um legado de boas histórias para todas as Copas


Por Gabriel Solti Zorzetto, Colaboração para Frente & Versos

(Foto/reprodução)

SÃO PAULO – Na última terça-feira, 26, em evento gratuito no Museu do Futebol, o escritor e jornalista Ruy Castro, colunista do jornal Folha de S. Paulo, compartilhou, sob uma perspectiva pessoal, suas experiências na Copa de 1958 sob o impacto do primeiro título mundial conquistado pela seleção brasileira, comandada pela geração de Pelé e Garrincha.

A palestra promoveu a exposição “A Primeira Estrela: o Brasil na Copa de 1958” – em cartaz até o dia 9 de setembro no Museu do Futebol – que apresenta sob diferentes formatos a Copa de 1958.


Ruy Castro é autor do livro “Estrela Solitária – um brasileiro chamado Garrincha” (Companhia das Letras, 1995), biografia de um dos maiores nomes do Brasil na conquista de 1958. O Mundial vencido pela seleção na Suécia, aliás, é tema recorrente na produção do escritor e jornalista, que foi um dos primeiros nomes consultados pelo Museu do Futebol para a exposição.


Ao longo do monólogo, Ruy fez questão de derrubar alguns mitos encrustados na nossa cultura popular, como, por exemplo, o de que muitos dos jogadores da seleção teriam deixados dezenas de filhos na Suécia durante os meses de junho e julho daquele ano. “Isso não procede”, conta Ruy, “O único que realmente teve um filho na Suécia foi o Garrincha, só que um ano depois, em 1959. Ele teve um rápido romance com uma sueca e acabaram tendo um filho, que eu conheci pessoalmente há alguns anos, é a cara do pai. Infelizmente ele me disse que é um ‘perna de pau’ e quem joga bem mesmo é o filho dele, o neto do Garrincha”.


Outra passagem histórica foi quando, na final da Copa, contra os anfitriões, o Brasil teve momento decisivo para o curso do futebol brasileiro e para o amadurecimento do país. A Suécia marcou um gol no início, o que era sinal de pânico e desequilíbrio emocional para a seleção, já traumatizada pelo fracasso da Copa de 1950. A lenda consta que, naquele momento, Didi, com notável determinação e frieza, caminhou devagar até o gol, pegou a bola do fundo da rede, botou embaixo do braço e andou calmamente ao meio de campo orientando o time para o reinício do jogo. “Vamos acabar com esses gringos, que eles não são de nada! ”, teria dito o meia da seleção. Depois disso, o Brasil não só virou, como aplicou uma goleada de 5 a 2 e sagrou-se campeão.


Ruy ratificou o episódio e fez uma ressalva: “A história é verdadeira. Só que muita gente se esquece que foi o Bellini (zagueiro e capitão) quem foi buscar a bola no fundo da rede, daí ele entregou para o Didi, que realmente protagonizou esse momento que conhecemos.”. “Na seleção de hoje não temos um líder como o Didi. Além de um jogador extraordinário, era o verdadeiro cérebro daquele grupo. ”, completou.


O autor também relembrou suas emoções ao ouvir a Copa no rádio, quando caminhava pelas ruas cariocas: “Nós ‘víamos’ os jogos pelo rádio. Os locutores eram excepcionais: Waldir Amaral, Jorge Curi, Antonio Cordeiro, Oduvaldo Cozzi. Me lembro vividamente quando andava pelas ruas do Rio e o som do rádio me acompanhava. Você podia ouvir um jogo inteiro apenas andando na rua, porque as casas ficavam com as janelas abertas e todas tinham um rádio sintonizado no jogo do Brasil. E, no meio da semana, lá pela quarta-feira, podíamos ver lances das partidas no cinema. Sem falar nos jornais e revistas, que saíam poucas horas depois dos jogos e nos contavam o jogo inteiro, minuto a minuto. ”


***

(Os textos de colaboração não expressam necessariamente a opinião da F&V)

©2019 por Frente & Versos. Criado com Wix.com