• Frentes Versos

J.K Rowling cancelada: como os fãs de Harry Potter reinventam seu mundo sem sua criadora

\\ LIVROS

Uma fatia de fãs se divide de JK Rowling, a discussão é sobre como se distanciar ou se separar do autor que criou um mundo de fantasia que anima suas vidas diariamente

Por Julia Jacobs*,tradução de Elisa Arrais


J.K Rowling, autora da série 'Harry Potter' - Imagem: reprodução .

Quando J.K. Rowling foi acusada de transfobia há cerca de dois anos por curtir de um tweet que se referia às mulheres trans como "homens de vestido", grande parte dos fãs de Harry Potter tentou dar a sua amada autora o benefício da dúvida. Talvez tenha sido apenas um acidente, como disse o porta-voz de Rowling na época.


Depois, as pessoas perceberam que Rowling seguiu comentaristas no Twitter que descreviam mulheres trans como homens. Em dezembro, ela tornou suas opiniões pessoais mais claras quando expressou apoio entusiasmado a uma pesquisadora britânica que entrou com uma ação contra seu ex-empregador, alegando que havia sido discriminada por suas visões "críticas de gênero" (ou seja, sua postura quanto à fixidez de sexo no nascimento).


"Parecia que estávamos esperando a outra ficha cair", disse Melissa Anelli, uma líder veterana do fandom de Potter que é co-proprietária do Caldeirão Furado.


Esta semana, aconteceu.


Primeiro, Rowling buscou um artigo que se referisse a "pessoas que menstruam", sugerindo que era errado não usar "mulheres" em uma tentativa equivocada de incluir pessoas trans. Quando ela recebeu resposta negativa, publicou um ensaio de 3.700 palavras sobre gênero, sexo, abuso e medo: “Eu me recuso a me curvar a um movimento que acredito estar causando danos demonstráveis ​​ao tentar corroer a 'mulher' como uma classe política e biológica e oferecendo cobertura aos predadores ".


Nos fã-clubes do Potter - o primeiro saído há 23 anos, tornando-se um dos fandoms mais duradouros do mundo on-line - começou uma conversa. Algumas discussões foram tensas, quando fãs que simpatizavam com as opiniões de Rowling se chocaram com fãs que os consideravam odiosos. Outros achavam que podiam simplesmente se afastar da política do mundo real e se concentrar no que está acontecendo no mundo bruxo.

Entre os fãs que rejeitam veementemente as opiniões de Rowling, a discussão é sobre como se distanciar ou se separar do autor que criou um mundo de fantasia que anima suas vidas diariamente.


'Criamos o Fandom'


Eles ouvem podcasts, fazem tatuagens com o brasão de Hogwarts ou o símbolo das Relíquias da Morte e participam de conferências de Potter como a LeakyCon, que atrai milhares de fãs todos os anos. Alguns até construíram suas carreiras.


Na semana passada, alguns fãs disseram que decidiram simplesmente se afastar do mundo, que abrange sete livros, oito filmes e uma franquia em constante expansão. Outros disseram que estavam tentando separar o artista da arte, permanecer no fandom enquanto discordam daquela que endeusavam.


“JK Rowling nos deu Harry Potter; ela nos deu este mundo”, disse Renae McBrian, uma autora jovem que é voluntária no site de fãs MuggleNet. “Mas criamos o fandom, e criamos a magia e a comunidade nesse fandom. É nosso dever manter.


O ensaio foi particularmente estridente para fãs trans e não-binários, muitos dos quais encontraram consolo no mundo de "Harry Potter" e costumavam ver a série como uma maneira de escapar da ansiedade.


Rori Porter, escritor e designer digital que começou os livros há cerca de duas décadas, aos 10 anos, ouvia os audiolivros como uma maneira de relaxar e adormecer - até que a controvérsia de Rowling explodir em dezembro. Porter, que é uma mulher transfeminina, o que, para sua experiência, significa que ela foi designada como homem ao nascer, mas se identifica com um gênero feminino, e abandonou alguns hábitos, como assistir os filmes desucesso da saga. Porter disse que precisa de uma pausa da série (e não planeja dar a Rowling um centavo novamente), mas ela acha que poderá revisitar os audiolivros um dia. "Não quero dar a JK Rowling a satisfação de tirar de mim algo que amei quando criança", disse ela.


Para Talia Franks, que não é binária e trabalha com um grupo ativista chamado Harry Potter Alliance, os comentários de Rowling foram perturbadores e desmoralizantes. Mas eles disseram que não terão problemas em continuar escrevendo suas ficções de fãs (onde existem personagens trans, por exemplo), participando de shows do Wizard Rock e participando da comunidade online Black Girls Create , onde discutem frequentemente "Harry Potter".


"Eu não preciso de JK Rowling", Mx. Franks disse.


As organizações de fãs que servem como repositórios de notícias de nicho, fornecendo atualizações sobre os planos para a série de filmes “Animais Fantásticos” e os resultados regionais do prêmio de Quadribol, agora estão procurando maneiras de afirmar aos fãs trans e não-binários que são bem-vindos nessas comunidades. Os líderes do fandom estão se unindo para apresentar uma declaração unificada condenando os comentários de Rowling, disse Kat Miller, diretora criativa da MuggleNet.


Isso ajudou a aumentar o moral quando uma série de atores de Harry Potter falou para afirmar identidades transgêneros, incluindo Daniel Radcliffe, que interpretou Harry; Emma Watson, que interpretou Hermione; Rupert Grint, que interpretou Ron; e Katie Leung, que interpretou Cho. (Rowling também recebeu críticas recentes pelo personagem Cho Chang, cujo nome é tão fraco quanto sua caracterização.)


Outros amantes de Potter estão pensando em maneiras de continuar se aprofundando na série sem gastar dinheiro que possa entrar na conta bancária de Rowling.


No Twitter, o "The Gayly Prophet Podcast" - que se descreve como um podcast queer sobre "Harry Potter" - incentivou os fãs a não comparecerem ao parque temático, assistirem à peça "Criança Amaldiçoada" ou até alugar os filmes.


Os apresentadores do podcast, Jessie Blount e Lark Malakai Gray, já estão bastante à vontade em criticar a série e seu autor, enquanto apontam onde as coisas ficam, na sua opinião, problemáticas (por exemplo, o subdesenvolvimento de personagens negros).


Proma Khosla, uma “corvinal” de 29 anos, que frequenta as convenções de "Harry Potter" desde os 15 anos, também leu a série de crimes Cormoran Strike que começou com "The Cuckoo's Calling" em 2013, publicado por Rowling sob um pseudônimo. O quinto livro da série deve ser publicado em setembro, mas por causa dos comentários anti-transgêneros de Rowling, Khosla disse que não tem intenção de comprá-lo ("Estou bem por não saber como termina, " ela disse).


Karter Powell, outro voluntário da Harry Potter Alliance, tem um quarto cheio de mercadorias Potter, de lençóis Potter a um cachecol Sonserino a uma varinha do parque temático Universal - mas eles não planejam comprar esse tipo de mercadoria novamente.


Mesmo se o fandom apresentasse uma frente unida, o que obviamente não pode, é improvável que ele "cancelasse" um autor que criou uma franquia multibilionária.

"Podemos dizer que vamos cancelá-la, mas ela receberá dinheiro pelo resto da vida", disse J'Neia Stewart, apresentadora do "The House of Black Podcast", que analisa a série através de um canal social. lente da justiça.

Cada fã deve fazer suas próprias escolhas

Anelli, 40, que também é autora do livro "Harry, uma História", planejava comprar ao sobrinho os livros da série para seu aniversário de 7 anos na semana passada. Mas ela decidiu que não poderia continuar com isso durante a mesma semana em que Rowling novamente capturou a atenção da internet com seus tweets anti-transgêneros.

JK Rowling e o caso do banheiro


O ensaio de Rowling, publicado na quarta-feira, critica o termo TERF, ou feminista radical trans-excludente, descrevendo-o como um insulto usado para silenciar mulheres como ela na internet. Ela repetiu várias informações erradas que são pontos de discussão comuns para essa associação frouxa de pessoas e afirmou que o “movimento” liderado por ativistas transgêneros está corroendo a noção de feminilidade e “oferecendo cobertura a predadores como poucos antes dela. " Como uma espécie de explicação para esse medo, Rowling relatou memórias de um ataque sexual na casa dos 20 anos.


"Quando você abre as portas dos banheiros e dos vestiários para qualquer homem que acredite ou sinta que é mulher", ela escreveu, "então você abre a porta para todo e qualquer homem que deseje entrar".


A ideia de permitir que pessoas trans usem banheiros alinhados com suas identidades coloca em risco outras pessoas - sujeitando-as a um risco maior de agressão e violações de privacidade - foi manifestada com maior destaque por legisladores conservadores para impedir que a legislação de gênero seja aprovada. Não há evidências para respaldar suas reivindicações. Os pesquisadores descobriram que jovens trans e não binários enfrentam um risco maior de agressão sexual quando lhes é negado o uso de banheiros ou vestiários apropriados. Em uma pesquisa realizada em 2017 com estudantes LGBTQ, a organização GLSEN descobriu que os estudantes diziam que o banheiro era o espaço mais evitado e inseguro para eles.


Rowling também twittou que "eu respeito o direito de todas as pessoas trans de viver da maneira que lhes parecer autêntica e confortável".


Ela foi questionada. Muitas pessoas escreveram que ficaram exasperadas com a decisão de Rowling de publicar um ensaio tão focado no momento em que os Estados Unidos são consumidos por discussões sobre racismo e brutalidade policial que estão mudando instituições, incluindo a mídia, departamentos de polícia e escolas.


*Artigo publicado originalmente na edição do dia 12 de junho do jornal The New York Times.

©2019 por Frente & Versos. Criado com Wix.com