• Bruno Pernambuco

Tolices

\\ TERCEIRO SINAL


Por Bruno Pernambuco

"Morning on the Seine near Giverny" (1897), Oscar-Claude Monet.

Tolices


Quando estou com o rio

um abismo nos cerca.

Nossas diferenças são infinitas,

nenhuma classificação podemos dividir.

Não tem resposta

-talvez devesse-

a minha pergunta:

qual delas é que nos distingue?


Ele ri.

Pode ser a velocidade com que passamos.

Talvez o que somos por dentro

eu, só a maior parte água.

Ou então na hora em que as vozes são baixas,

se é que ele conhece voz,

os poemas que ele esconde,

se ele também os esconde,

sejam completamente seus.


(Me convenço, ao rio não cabem casos de plágio.

Só assim ele é, correndo.

Sincero

e sem dívidas.).


Ele ri.


Podíamos não ser tão absolutamente separados.

Podíamos compartilhar mais que a distância.

A língua dos peixes, se existe, ele talvez não entenda.

Talvez do jeito que um instante de espanto me atravessa

e a conversa dos meus seres fica indecodificada.


Ele ri. Sim, podíamos

mas eu tenho quarta-feira depois da terça.

Tenho garrafa contendo a água, dor nas costas, atraso para os compromissos,

outra cara numa foto antiga,

palavras nas declarações de amor

cabeça e, dentro dela, pensamentos

-alguns que me assombram

como o brilho das velas 

de um aniversário que chega a tempo de ser o último.


Tenho também o riso

naqueles momentos em que não devia.

©2019 por Frente & Versos. Criado com Wix.com